Ginkgo biloba

Ginkgo biloba tem poder

Pesquisas alimentam a esperança de que a planta do Oriente previna (e ataque) tumores no ovário, na mama, no cérebro e no fígado. Com o seu extrato por perto, as células malignas se autodestroem

Nome Científico: Ginkgo biloba L.
Nome popular: Nogueira-do-japão
Origem: Extremo Oriente
Aspecto: As folhas se dispõem em leque e são semelhantes ao trevo. A altura da árvore pode chegar a 40 metros. O fruto lembra uma ameixa e contém uma noz que pode ser assada e comida

A ginkgo biloba foi a primeira planta a brotar após a destruição provocada pela bomba atômica na cidade de Hiroshima, no Japão

A ginkgo já é famosa por suas façanhas. O extrato obtido de suas folhas comprovadamente reduz as tonturas, refresca a memória, alivia as dores nas pernas e nos braços e acaba com o zumbido no ouvido. Por tudo isso ela arrebanhou uma vasta clientela, composta na maior parte por idosos. Mas suspeita-se que o poder dessa planta de folhas de formato de leque vá além. Estudos realizados em laboratório e com seres humanos sugerem sua capacidade de prevenir e atacar tumores — mais um importante item que se acrescenta ao seu currículo.

Uma das pesquisas que obtiveram resultados mais estrondosos foi concluída no final do ano passado. Ao todo, 1 388 mulheres foram acompanhadas por seis meses. Todas relataram tomar algum tipo de remédio fitoterápico — equinácea, ervade- são-joão, ginseng e ginkgo. As que ingeriram esta última diariamente tiveram uma incidência 60% menor de tumores de ovário. Para entender o que estava ocorrendo, os surpresos cientistas levaram a ginkgo para dentro do laboratório. Lá misturaram o extrato da planta a culturas de células de ovário cancerosas. Bastou uma pequena dose para que o crescimento delas fosse reduzido em 80%.

ESTUDO PIONEIRO
Foi a primeira vez que se vislumbrou uma relação entre a ginkgo e o combate ao câncer de ovário. “Como o nosso estudo é pioneiro, as conclusões precisam ser confirmadas por novos trabalhos”, disse à SAÚDE! Daniel Cramer, diretor de Obstetrícia e Ginecologia Epidemiológica do Brigham and Women`s Hospital, ligado à Escola Médica Harvard, nos Estados Unidos. “Até que outras investigações sejam feitas, acredito que mulheres com mais de 50 anos e histórico familiar de câncer de ovário deveriam considerar tomar ginkgo”, diz ele.

Quando se fala em tumores em geral, o relatório de Cramer não é tão inovador assim. Mais de 50 estudos sobre ginkgo e câncer já foram catalogados. Em 2002 uma pesquisa conduzida pelo grego Vassilios Papadopoulos mostrou em laboratório e em testes clínicos que a ginkgo inibe o crescimento agressivo de tumores de mama. Também existem trabalhos sobre câncer cerebral e de fígado. “Essa já não é uma área de pesquisa em sua infância”, diz Nise Yamaguchi, pesquisadora da USP e vice- presidente do Núcleo de Apoio ao Paciente com Câncer, em São Paulo. “Já existem muitos estudos consistentes. E com conclusões parecidas.”

A maneira como a ginkgo e seus componentes agem em escala celular ainda não foi totalmente decifrada, mas há algumas hipóteses. “Talvez a planta esteja envolvida com a habilidade do organismo de causar apoptose, a morte programada de células defeituosas”, diz Cramer (veja infográfico na próxima página). Outras estratégias descritas em diferentes trabalhos são sua habilidade para inibir os vasos que alimentam o câncer e sua capacidade de evitar danos ao DNA. Esses efeitos são obtidos por meio da ação de duas substâncias, os terpenóides e os bioflavonóides. Os primeiros viraram objeto de estudo mais recentemente. Os bioflavonóides, contudo, são conhecidos de longa data. Agem como antioxidantes, combatendo os radicais livres e impedindo o envelhecimento. Ambos fazem parte do mesmo extrato, o EGb 761 — matéria-prima dos comprimidos vendidos em farmácias.

O comprimido de ginkgo biloba desencadeia diversas reações que vão desde os pés até os ouvidos. Os vasos sangüíneos se dilatam e o sangue fica menos viscoso (mais “fino”, como se diz). Assim, corre mais rápido, com mais facilidade, e alcança melhor os lugares mais distantes do coração. O labirinto, estrutura que pertence ao ouvido, passa a ser mais bem irrigado e oxigenado, o que ajuda a acabar com tonturas e zumbidos. As áreas do cérebro responsáveis pela memória e pelo raciocínio ficam mais despertas. O fluxo mais intenso também acaba com as dores nos braços e nas pernas, comuns na terceira idade. “A ginkgo produz muitos resultados e por isso divide com a ervade- são-joão o título de planta mais estudada na atualidade”, afirma João Batista Calixto, professor de farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e autoridade brasileira em medicamentos fitoterápicos.

Entre todas as benesses creditadas à planta, uma passou a ser questionada recentemente. É a que se refere à contribuição da ginkgo aos pacientes com Alzheimer. “Possivelmente o benefício seja alcançado apenas se a droga for utilizada de forma preventiva, anos antes do início da doença”, diz Orestes Forlenza, psiquiatra e pesquisador do Laboratório de Neurociências da Universidade de São Paulo. “Os estudos clínicos da ginkgo para o tratamento de demências não demonstraram vantagens consistentes, possivelmente porque já era tarde demais e o tamanho do efeito era muito pequeno para modificar o curso clínico”, explica o pesquisador, que fez uma revisão da literatura médica sobre o assunto.

São raros os casos de efeitos colaterais advindos da ingestão de ginkgo, mas não se pode ignorá-los. O remédio possui tarja vermelha e só pode ser vendido com receita médica (a dose máxima recomendada é de 240 mg/dia). Esse cuidado existe porque, ao dilatar os vasos sangüíneos, a ginkgo pode provocar enxaqueca e aumentar a sensibilidade da pele, causando alergias. Esse problema é maior nas cápsulas de pó macerado e nas folhas para chá, vendidas em lojas de produtos naturais. Além de ter a eficiência questionada (veja o quadro na próxima página), elas possuem grandes quantidades de um ácido capaz de irritar a pele. Ao afinar o sangue, a planta também pode causar sangramentos (antes de submeter um paciente a cirurgia, os médicos costumam pedir que cesse a ingestão do comprimido). Na bula do medicamento há ainda advertências com relação a distúrbios gastrointestinas e queda de pressão arterial. “A ginkgo é uma planta segura, mas deve ser usada com cautela”, resume o americano Daniel Cramer.

MORTE PROGRAMADA
Na presença da ginkgo, as células malignas se autodestroem
1 – PROCESSO NORMAL
Quando alguma célula se danifica, sofre radiação ou infecção, o organismo envia uma ordem para que ela se autodestrua. Esse processo é chamado de apoptose.

2 – CÉLULAS TUMORAIS
De vez em quando surgem células malignas que podem se multiplicar desordenadamente. O corpo manda a mesma ordem de implosão, mas elas não obedecem.

3 – COM GINKGO
Na presença da ginkgo, as células tumorais ficam menos “teimosas”. Quando a
mensagem chega, a célula pode ter a membrana rompida. Os restos são comidos
por fagócitos, defensores do corpo.

O QUE JÁ SE COMPROVOU?
Dos muitos benefícios atribuídos à ginkgo, alguns foram validados pela literatura científica e outros, desacreditados

ZUMBIDOS NO OUVIDO E TONTURA São os principais chamarizes da planta. Ao aumentar a circulação no labirinto, estrutura interna do ouvido, a ginkgo diminui zumbidos e melhora a sensação de equilíbrio.
DORES EM BRAÇOS E PERNAS Os benefícios do extrato para a circulação se refletem na melhor irrigação das áreas mais distantes do coração, o que alivia as dores nos membros.
ENVELHECIMENTO Seus bioflavonóides são antioxidantes que combatem os radicais livres e evitam danos às células, acumulados com a idade.
CÂNCER DE OVÁRIO Um estudo publicado em outubro de 2005 mostrou que a incidência desses tumores diminuiu entre 60% e 70% nas mulheres que ingeriram comprimidos com extrato de ginkgo.
CÂNCER DE MAMA Testes preliminares em laboratórios e estudos clínicos publicados em 2002 indicaram que o extrato das folhas pode inibir a proliferação agressiva de tumores de mama.
MEMÓRIA A Organização Mundial da Saúde considera que a ginkgo melhora a capacidade de memória e de aprendizado, mas estudos recentes começam a pôr em dúvida se o efeito persiste no longo prazo.
ALZHEIMER A ginkgo já foi aprovada em alguns países para ajudar na prevenção dessa doença. Contudo, novos testes não mostraram benefícios consistentes quando o mal já está instalado.
COMPROVADO EM TESTE CONTESTADO

ALENTO EM CHERNOBYL
Em 1986 a usina nuclear de Chernobyl, na então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, sofreu uma forte explosão de vapor seguida de incêndio. Mais de 200 mil pessoas tiveram de ser transferidas para evitar os efeitos da radiação. Um estudo publicado em 1995 ministrou extrato de ginkgo para 30 trabalhadores que estavam na área do acidente. Por dois meses eles tomaram três comprimidos de 40 mg. Ao final, a ginkgo reduziu os efeitos colaterais provocados pelas radiações excessivas e diminuiu o número de porções alteradas no DNA desses homens.

PRODUÇÃO GLOBAL
O extrato usado nos comprimidos viaja pelo mundo antes de chegar às prateleiras das farmácias. Em geral, as árvores são cultivadas na região de Bordeaux, na França, e na Carolina do Sul, nos Estados Unidos — tidas como as mais adequadas para o cultivo da planta. Depois de colhidas, as folhas são enviadas à Irlanda para serem extraídas. Em seguida a matéria-prima é exportada para vários países (o Brasil é um deles) onde os comprimidos são feitos e embalados.

DÁ PARA CONFIAR?
Nas farmácias brasileiras, os comprimidos de extrato de ginkgo vendidos só com receita médica competem com cápsulas de pó moído e folhas, em embalagens expostas nas prateleiras ao alcance do consumidor. Muita gente relata efeitos benéficos advindos dessas fórmulas alternativas. Mas seriam elas tão eficazes quanto os comprimidos? A resposta é não. Pesquisadores da UFSC fizeram testes para saber quanto tem de componentes do extrato EGb 761 nessas cápsulas e nas folhas da planta. Conclusão: para obter a mesma quantidade de um único comprimido de 120 mg seriam necessárias 20 cápsulas de 200 mg de pó moído. Quanto ao chá, a eficácia depende da qualidade da matéria-prima. “Mas seria preciso ingerir grande quantidade, já que os teores das substâncias ativas no chá caseiro são baixos”, afirma Cláudia Simões, autora do trabalho e pesquisadora da UFSC. “A proporção ideal só é obtida com os extratos secos padronizados.”

Fonte: Saúde – Abril

Hovenia Dulcis (Uva-Japonesa)

Nome Científico: Hovenia dulcis

Nomes Populares: Uva-do-japão, Banana-do-japão, Bananinha-do-japão, Caju-do-japão, Caju-japonês, Cajueiro-japonês, Chico-magro, Gomari, Macaquinho, Mata-fome, Passa-do-japão, Passa-japonesa, Pau-doce, Pé-de-galinha, Tripa-de-galinha, Uva-da-china, Uva-japão, Uva-japonesa, Uva-paraguaia

Família: Rhamnaceae

Categoria: Árvores, Árvores Frutíferas

Clima: Continental, Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical

Origem: Ásia, China, Coréia do Norte, Coréia do Sul, Japão

Altura: 6.0 a 9.0 metros, 9.0 a 12 metros

Luminosidade: Sol Pleno

Ciclo de Vida: Perene A uva-do-japão é uma árvore caduca, de porte médio, muito utilizada na arborização urbana. Sua copa é aberta, de formato globoso a oval. O caule apresenta rápido crescimento e pequeno diâmetro. Sua casca é escura, de textura lisa a levemente fissurada. As folhas são ovais, verdes, brilhantes, de disposição alterna e caem no outono e inverno. As flores numerosas, surgem no verão. Elas são pequenas, hermafroditas, perfumadas, branco-esverdeadas e atraem muitas abelhas. Os frutos são cápsulas secas, marrons, sustentadas por pedúnculos carnosos, doces e de cor castanha. Cada fruto contém de 2 a 4 sementes amarronzadas. A dispersão das sementes é zoocórica (por animais).

Os frutos da uva-do-japão têm sabor aprazível, mas devem ser colhidos maduros. Quando verdes, têm sabor adstringente e quando passados, fermentam e ficam com gosto alcoólico. Eles podem ser consumidos in natura ou na forma de geléias. É uma árvore apropriada para o paisagismo urbano, em estacionamentos, rodovias, praças e parques. Devido ao seu tamanho um pouco avantajado (atinge cerca de 25 metros), a uva-do-japão não é indicada para arborização de calçadas sob fiação elétrica.

Por ser uma árvore que frutifica em abundância, ela têm sido amplamente utilizada na recuperação de áreas degradadas, com o objetivo de atrair a fauna (aves e mamíferos). No entanto têm se revelado uma espécie perigosamente invasora, que reduz a diversidade das matas nativas e se multiplica rapidamente com a ajuda dos animais.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, bem drenável e leve, com regas regulares no primeiro ano após o plantio. Não tolera encharcamento ou inundações. Multiplica-se por sementes e estacas. As sementes podem ser escarificadas para quebrar a dormência. A frutificação inicia-se de 3 a 4 anos após o plantio.

A planta é muito bem adaptada nos países de clima tropical, mas a uva que chamamos de japonesa não é uva nem japonesa. Veio das zonas úmidas e montanhosas da China. Só em 1820 ela foi introduzida no Ocidente. Por aqui, não pegou, embora tenha um potencial enorme.

Para sermos bem corretos em botânica, não poderíamos chamá-lo de fruto porque seus frutos são as vagens com as sementes que ficam anexadas nas extremidades, em forma de bolinhas não comestíveis. O que chamamos de fruto são os pedúnculos gordinhos e suculentos. Mas o que importa é o uso que damos a eles – como uvas passas ou frutas picadas vão bem em tortas, bolos, recheios, saladas e o que a imaginação puder criar com qualquer coisa parecida com frutas docinhas e crocantes. Imaturos são muito tânicos, mas quando ganham cor marrom avermelhada, murcham ligeiramente e até caem ao chão, aí sim estão super docinhos.

Uva-japonesa contra o alcoolismo

O cajueiro-japonês (Hovenia dulcis), mais conhecido no Brasil como pé-de-galinha ou uva-japonesa, é uma árvore conhecida na medicina chinesa por suas propriedades antirressaca e pelo gosto ácido adocicado de seu fruto. Uma pesquisa   da Universidade da Califórnia (UCLA), publicado  no Journal of Neuroscience, identificou um composto que se extrai desta planta e que pode ser empregado em casos de intoxicações etílicas e a síndrome da abstinência e, portanto, para tratar o alcoolismo.

Trata-se da dihidromiricetina , um flavonoide que se emprega como anticelulítico na área de cosmética. Os resultados do experimento realizado com ratos mostraram como o composto reduzia o consumo voluntário de álcool e bloqueava sua ação no cérebro. Este efeito era produzido pela inibição dos receptores do neurotransmissor GABA   (ácido gama-aminobutírico), que habitualmente bloqueia a atividade cerebral e produz a sonolência própria da síndrome de abstinência.

Ainda que seja necessário realizar ensaios com humanos, o estudo pode ser a base para o desenvolvimento de novos tratamentos terapêuticos para o alcoolismo com base em remédios populares empregados há mais de 500 anos.

Torta de banana como uva japonesa

Massa (minimamente adaptada da massa aerada do livro Bolos e Tortas, da Coleção Time Life)

250 g de farinha de trigo 1 colher (sopa) de açúcar ½ colher (chá) de sal 150 g de manteiga em temperatura ambiente 1 ovo inteiro

Recheio 10 bananas em rodelas ou o suficiente para cobrir a torta 1 xícara de uvas japonesas picadas Suco de um limão 2 colheres (sopa) de açúcar misturadas com 1 colher (sopa) de canela

Faça a massa, peneirando sobre uma tigela a farinha de trigo, o açúcar e o sal. No meio, faça uma cova e junte a manteiga e o ovo. Com um garfo ou com a ponta dos dedos, vá misturando a farinha com a manteiga e o ovo. Quando obter uma massa farofenta, junte uma ou duas colheres (sopa) de água, gota a gota, e vá amassano com as mãos só até conseguir formar uma massa homogênea. Embrulhe em filme plástico e guarde na geladeira por 30 minutos.

Forre com a massa uma forma grande de fundo desmontável ou outras menores. Espalhe no fundo farinha de rosca (para absorver o caldo da banana) e forre com rodelas de banana alternadas com uva japonesa. Esprema suco de limão sobre as bananas e polvilhe com açúcar e canela. Leve ao forno médio (180 graus) por cerca de 1 hora ou até as bordas da torta começarem a dourar.

Rende: 14 fatias ou 14 tortinhas

Inclua em saladas. Esta levou folhas, tomate, salsão e molho com mostarda. Acho que vai bem ainda em saladas com repolho, cenoura ralada e um molho leve de iogurte ou maionese. Ou em qualquer outra que levaria uvas passas e/ou maçãs e/ou peras.

Jambeiro

Nome popular: jambeiro
Nome científico: Eugenia sp
Família botânica: Myrtaceae
Origem: índia.

Características da planta
Árvore que pode atingir até 15 m de altura. Copa de forma cônica, densa com ramificação abundante. Folhas de coloração verde-brilhante. Flores grandes, aromáticas, que podem variar de brancas a róseo-purpúreas de acordo com a espécie.

Fruto
Forma ovóide de coloração branca, verde, rósea, amarela e vermelho-escura, com polpa suculenta, de cor branca, envolvendo sementes globosas.

Cultivo
Não suporta geadas e desenvolve-se em qualquer tipo de solo, desde que permeáveis e profundos. É cultivado em quase todo Brasil, em regiões de clima quente e úmido. A propagação se dá por sementes. Pode produzir por mais de 20 anos. Frutifica de janeiro a maio.

HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL

“Esta fruta que vos mostro é muito estimada nesta terra: veio de Málaca há pouco tempo,porque há muitas naquelas partes. Mas dizei a que vos parece este pomo, pois é do tamanho deum ovo de pata e algum tanto maior; já vedes como a cor dele é feita de branco e vermelho, echeira a água rosada, de maneira que aos dois sentidos é aprazível.””Para mim” – diz Camara Cascudo referindo-se ao texto acima – “essa fruta é o jambo-vermelho ou jambo-encarnado”
Camara Cascudo

Jambo-vermelho, jambo-branco, jambo-bravo, jambo-rosa ou jambo-amarelo: delicias vindas para o Brasil da Índia e de algumas ilhas da Malásia.
Os jambeiros são belíssimas árvores. Embora não sejam originárias da América, aclimataram-se tão bem às condições do trópico americano que parecem nativas da terra. Nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil é raro um pomar sem pelo menos um jambeiro. E ninguém se pergunta se ela é do lugar ou se veio de longe.
Embora todos eles tenham o mesmo nome – jambo não se trata de variedades de uma mesma fruta. Seu parentesco é talvez o mesmo parentesco que existe entre a jabuticaba e a pitanga, também Mirtáceas como todos os jambos.
O mais conhecido dentre eles, o jambo-vermelho (Eugenia malaccensis), nasce em árvores grandes, de folhas também grandes, cuja copa tem uma forma piramidal. Esse jambeiro, extremamente ornamental, oferece, ao mesmo tempo, beleza, boa sombra e doces frutos aos felizardos que dela souberam e puderam dispor.
Suas muitas flores, lindas e coloridas de púrpura, rosa e lilás, quando caem formam sob as árvores um “tapete purpúreo de belo efeito”, de acordo com a perfeita descrição de Pio Corrêa.
Os frutos, vermelhos por fora e alvos por dentro, têm um sabor doce que lembra o das peras, porém acrescido de um perfume forte de flor. A casca é fina e a polpa, pouco suculenta, é consistente, obrigando a umas boas dentadas quem quiser prová-la.
Com o fruto do jambeiro-vermelho faz-se um especial e delicioso doce em compota: os jambos descascados, mas não completamente, são partidos ao meio; os frutos são apenas aferventados e, depois, colocados para cozinhar em calda de açúcar fervente. O resultado, além de bom, é um doce lindo, cor-de-rosa, da cor do doce de pêssego. Quem ensina é Dona Chloé Loureiro.
O jambo-rosa também conhecido como jambo-amarelo (Eugenia jambos), nasce em árvores de menor tamanho que o jambo-vermelho. Suas folhas são também menores e mais afiladas. A floração é abundante: as flores, brancas, grandes po-rém delicadas, cobrem toda a copa da árvore para depois caírem em um bonito espetáculo.
O fruto é menor, muito mais parecido, externamente, com o araçá do que com o fruto do jambo-vermelho. Por fora, sua cor é também mais clara do que o outro, variando entre os matizes de rosa e de amarelo; nas palavras de Pio Corrêa, sua cor pode ser “amarelo-rósea ou róseo-branca ou arroxeada”.
A consistência farinácea de sua polpa lembra a de uma maçã com pouco suco, e é semelhante à do jambo-vermelho. O sabor é mais suave, rescendendo ao perfume das rosas – de onde provem o seu nome.
O jambeiro-branco (Eugenia aquea) é o mais interessante e exótico entre todos os demais jambeiros. Seus frutos, que se assemelham, pela aparência e formato, mais com o jambo- rosa do que com o vermelho, apresentam, externamente, uma coloração branca, pálida, bastante rara na natureza.
Pio Corrêa, ao descrevê-los diz, que tais frutos “são muito belos, parecendo feitos de porcelana ou parafina”. Apesar de terem um sabor menos forte e menos pronunciado do que os outros jambos, por sua beleza e raridade o jambo-branco tem muitos admiradores.
Fonte: http://www.bibvirt.futuro.usp.br

 

Jambo

Jambo Rosa

Jambo Rosa
Nome Científico: Syzygium jambos (L.) Alston (Eugenia jambos).
Família: Mytaceae
Origem e dispersão
O jambeiro-rosa é originário da região Indomalaia, de onde foi introduzido nas regiões tropicais americanas e africanas. No Brasil é encontrado em diversos estados, mas não é cultivado comercialmente.

Características
É uma árvore que alcança até 20 m de altura, possui copa densa com formato cônico, folhas opostas, pecioladas, elípticas, grande e glabras. As flores apresentam 4 pétalas brancas de 1,5 cm de comprimento.
Os estames brancos, em número de 300, ocupam o centro da flor e entre eles destaca-se o pistolo fino de cor verde. O fruto é uma drupa oval, com 3 a 5 cm de diâmetro amarelo-rosa ou róseo-branca ou arroxeada, muito aromático, polpa branca, esponjosa e de sabor suave. No centro há uma cavidade com 1 semente, formada por vários embriões carnosos, que se separam facilmente.

Clima e Solo
É encontrado em locais de clima quente e úmido, com boa distribuição de chuvas e diversos tipos de solos, sem problemas de drenagem.

Propagação: o jambeiro-rosa é propagado por sementes ou alporquia.

Utilização: é consumido ao natural, porém, na Índia, é utilizado para fazer aguardente e compota.

 

Jambo Vermelho

Jambo Vermelho
Nome Científico: Syzygium malaccense (L.) Merr & Perry
Família: Myrtaceae

Origem e dispersão
O jambeiro-vermelho é originário da malásia de onde dispersou-se para as regiões tropicais da África e América. No Brasil é encontrado nos estados da região Norte, Nordeste e nas regiões quentes do Sudeste.

Características
A árvore alcança 12 a 15 m de altura, apresenta copa densa de formato cônico-alongado.

Clima e Solo
O jamboeiro desenvolve-se bem em regiões de clima tropical e subtropical, e em solos profundos e drenados.

Propagação
O jambeiro pode ser propagado por semente, estaquia e alporquia.

Variedades
São citadas variedades com e sem sementes.

Utilização
A polpa representa 84% do fruto que apresenta ºBrix 6,8% e acidez 0,4% no final de maturação. É consumido ao natural ou em forma de doces ou compotas.

O termo jambeiro é a designação comum a várias árvores e arbustos da família das mirtáceas, principalmente as dos gêneros Syzygium e Eugenia, sendo que muitas delas possuem frutos comestíveis. Também são chamadas de jambo e jamboeiro.

O jambo é o fruto do jambeiro (Syzygium jambos L.) das espécies do gênero Syzygium (também designado pelo termo jambo – sinônimo botânico) da família Myrtaceae, que inclui também a goiaba, a pitanga, o jamelão, a jabuticaba e o eucalipto. São frutos piriformes (em forma de pêra), com casca lisa e cerosa, rosada, esbranquiçada ou vermelha, polpa consistente e branca, e uma ou mais sementes de formato esférico no seu interior.
Há três espécies principais de Syzygium cujos frutos são conhecidos como jambo, todas nativas do continente asiático:

  • S. malaccense: Jambo-vermelho, com frutos vermelhos, adocicados e levemente ácidos;
  • S. jambos: Jambo-branco, com frutos esbranquiçados, de sabor fraco;
  • S. jambolana: Jambo-rosa, com frutos rosados, sabor semelhante ao jambo-vermelho. Também cultivado como árvore ornamental, pela profusão de flores com longos estames rosados.

Em algumas regiões, o jamelão, fruto pequeno e negro da Syzygium cumini, é conhecido em certos lugares como “jambo”, ou “jambolão”.

O jambo é uma boa fonte de ferro, proteínas e outros minerais. Os frutos apresentam 28,2% de umidade, 0,7% de proteína, 19,7% de carboidratos, contendo entre eles vitaminas como A (beta caroteno), B1 (tiamina), B2 (riboflavina), minerais como, ferro e fósforo. Em 100g de polpa, tem 50 calorias.

JAMBEIRO-BRANCO – FRUTO

JAMBEIRO-BRANCO – FLOR

Aesculus hippocastanum L. (Castanha-da-Índia)

Nome científico da Castanha-da-Índia: Aesculus hippocastanum L.

Família da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: Hippocastanaceae.

Sinônimos botânicos da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: Hippocastanum vulgare.

Outros nomes populares da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: castanheiro-da-índia; baumann horse chestnut, horse chestnut e white chestnut (inglês); castaño de índias (espanhol); châtaignier de cheval (francês); castagno d’india (italiano); t’ien-shih-li (chinês).

Constituintes químicos da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: aescina, aesculina, fraxina, saponinas triterpenoídicas (aescina e aescigenina), flavonóides (canferol, quercetina, rutina, astragalin e quercetrina), heterosídeos cumarínicos (fraxina, escopolina, aesculetina, aesculosídeo e aesculina), óleos fixos (ácidos oléico, linoléico, palmítico, esteárico, e linolênico), taninos (ácido esculitânico, epicatequina, leucocianidina, leucodelfinina,), fitosteróis, bases nitrogenadas (guanina, adenina, e adenosina), alcalóides imidazólicos (alantoína), aminoácidos (arginina), ácidos orgânicos (cítrico, úrico), resina, vitaminas (B, K1, C, caroteno e pró-vitamina D), proteínas e açúcares.

Propriedades medicinais da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: adstringente, antiedêmica, anti-hemorroidal, antiinflamatória, estimulante, hemostática, redutora da permeabilidade capilar, tônica, vasoconstritora, vasoprotetor.

Indicações da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: afecções circulatórias, circulação periférica (ativação da), coceira (úlceras varicosas/varizes), cólicas menstruais, dores venosas, edemas por má circulação, flebites, hemorróida, insuficiência crônica venal, varizes, pele (dermatite, eczema, inflamações gerais), peso e dor nas pernas, tpm, úlceras varicosas, varizes, vermes.

Parte utilizada da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: folhas, sementes, frutos.

Contra-indicações/cuidados da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: gravidez, nutrizes, crianças. Não usar com

anticoagulante, pois pode potencializar a ação de anti-coagulação.

Efeitos colaterais da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum: super dosagens para tratamento de edema, em casos de fraturas e pós-operatório, pode causar insuficiência renal aguda.

Os saponosídeos podem causar irritação das mucosas digestivas. Os esculosídeos podem causar dermatite de contato. A escina (saponina) produz hemólise do sangue (in vitro).

Intoxicação por super dosagem: prurido, fraqueza, diminuição da coordenação, dilatação da pupila, vômito, depressão do sistema nervoso central, paralisia e estupor.

Modo de usar da Castanha-da-Índia Aesculus hippocastanum:

– decocção das cascas e sementes a 5 %: uso externo. Para lavagens, compressas, aplicar durante 15 minutos sem friccionar: doenças da pele como dermatites, eczemas e inflamações gerais;

– tintura para uso interno e externo;

– sabonete, é indicada no tratamento de combate à pele oleosa. Pode ser usada como aditivo de protetores solares;

– decocção de 30 a 50 g de casca em 1 litro d’água. Beber 250 a 500 ml ao dia;

– infusão de 30 g de folhas em um litro de água. Beber dois a três copos por dia;

Notas: folhas e frutos são usados para tratar tosses em cavalos e gado e também como forragem.

CLIPPING

Castanha da Índia

Por: Tatiana Zanin (Nutricionista)

A castanha da índia, Aesculus hippocastanum, planta medicinal conhecida também como castanheiro-da-índia é muito utilizada no tratamento de insuficiência venosa, varizes, hemorróidas e flebites.

O castanheiro, árvore que produz a castanha da índia, pode alcançar a 30 metros de altura e produz flores brancas ou amarelas dispostas e pode chegar a 200 anos.

Propriedades da Castanha da índia

Adstringente, anti-edêmica, anti-hemorroidal, anti-inflamatória, estimulante, hemostática, redutora da permeabilidade capilar, tônica, vasoconstritora, vasoprotetor.

Indicações da Castanha da índia

Afecções circulatórias, ativação da circulação periférica , úlceras varicosas; varizes, cólicas menstruais, dores venosas, inchaço por má circulação, flebites, hemorróida, insuficiência crônica venal, varizes, pele (dermatite, eczema, inflamações gerais), peso e dor nas pernas.

Efeitos colaterais da castanha da índia

Irritação das mucosas digestivas, dermatite de contato.

Modo de uso da castanha da índia

Para fins medicinais são utilizadas as folhas, sementes e frutos.

 ■Doenças da pele (dermatites, eczemas e inflamações gerais): utilizar como lavagens e compressas aplicando durante 15 minutos sem friccionar.

 ■Má circulação, caimbras ou pernas cansadas,: adicione 5 colheres de sopa de pó da castanha-da-índia  em uma garrafa de álcool etílico a 70% . Feche a garrafa e deixe descansando duas semanas numa janela à luz do sol. Coloque a seguir a preparação em uma garrafa escura, limpa e bem tampada e conserve ao abrigo do sol. Para a utilização dilua 5 colheres de sopa em 1 litro de água.

 ■Pele oleosa: sabonete com castanha da índia.

 ■Circulação: Chá: adicione 30 g de folhas de castanha da índia em 1 litro de água. Beba dois a três copos por dia.

Contraindicações da castanha da índia: Gravidez, amamentação, crianças. Durante a toma de anticoagulantes.

Consequências da super dosagem da castanha da índia: Coceira; fraqueza; diminuição da coordenação, dilatação da pupila, vômito, depressão do sistema nervoso central, paralisia e estupor.

Revista Herbarium

Dupla Dinâmica

Editoria: Fitomedicina

Texto: Raquel Marçal, de Curitiba

22 de fevereiro de 2012

Ricas em substâncias que combatem inchaços e fortalecem as paredes dos vasos sanguíneos, a castanha-da-índia e a centella asiática são grandes aliadas contra as varizes

Pra baixo todo santo ajuda. É fácil lembrar do espirituoso dito popular quando se pensa no trajeto do sangue em sua tarefa de irrigar os órgãos do corpo. A descida até os membros inferiores é moleza. Na hora de subir é que são elas. É justamente aí que entra em ação um sistema de válvulas localizado nas paredes internas das veias que ajuda o sangue a vencer a gravidade, empurrando-o para cima. Mas, às vezes, os tecidos dessas válvulas perdem a força e não conseguem mais fazer seu trabalho. Resultado: o sangue passa a fluir com dificuldade e vai se acumulando na veia até a circulação no local empacar de vez.

Esse defeito nas válvulas – e a consequente travada do fluxo sanguíneo – é o que os médicos chamam de insuficiência venosa. Um problema à flor da pele. Inchadas por causa do fluido parado, as veias afetadas formam varizes e marcam as pernas num ziguezague que lembra uma fita sianinha. “A principal causa das varizes é a predisposição genética”, explica a angiologista Priscila Nahas, diretora do Departamento de Febloestética da Sociedade Brasileira de Feblologia e Linfologia. Para quem não sabe, feblologia é o estudo das veias e das doenças venosas. “Quem tem a hereditariedade, vai desenvolver o problema mais cedo ou mais tarde, é inevitável”, afirma a médica. Mas nada de pânico. A boa notícia para quem tem histórico na família é que algumas atitudes, como praticar atividades físicas, controlar o peso e evitar o cigarro, podem adiar a ocorrência do problema.

As varizes não são um incômodo apenas estético. Doloridas, elas podem atrapalhar no dia a dia mesmo quando não há complicações – como tromboses superficiais, úlceras venosas e fleborragias, que são hemorragias originárias das veias. Por isso, estão entre as causas mais frequentes de afastamento do trabalho e são consideradas um problema de saúde pública. E não só no Brasil.

Nos casos mais graves, só a cirurgia dá jeito. Mas quando o último recurso ainda não é indicado, dá para amenizar os sintomas com medicação. “Os medicamentos têm ação direta sobre a parede da veia doente, fortalecendo-a e melhorando o fluxo sanguíneo”, explica Priscila. É exatamente isso o que fazem as duas plantas medicinais mais usadas no tratamento da insuficiência venosa: a castanha-da-índia (Aesculus hippocastanum) e a centella asiática (Centella asiatica). “A castanha-da-índia tem ação antiinflamatória e aumenta o tônus venoso”, diz o médico Aderson Moreira da Rocha, presidente da Associação Brasileira de Ayurveda. “Já a centella também possui efeito diurético. Na ayurveda é indicada para aliviar sintomas como inchaço, dor e cãibra nos membros inferiores“, completa.

A dupla de fitoterápicos já provou seu valor em diversos estudos mundo afora. Os cientistas inclusive sabem quais as substâncias responsáveis pela ação benéfica dessas plantas. Trata-se das saponinas. Na castanha-da-índia, a principal saponina é chamada de beta-aescina. “Ela favorece o transporte de íons para dentro dos capilares, o que aumenta a resistência das veias e artérias e impede a saída de líquidos dos vasos, evitando assim os inchaços”, explica a farmacêutica Elisabeth Lopez. “A castanha-da-índia possui ainda cumarinas e flavonoides, que também apresentam ação protetora vascular”, completa Elisabeth.

Há evidências de que os fitoterápicos à base de castanha-da-índia são tão eficazes quanto a terapia de compressão dos membros inferiores com meias elásticas e os rutosídeos – substâncias tradicionalmente usadas nos medicamentos contra as varizes. A descoberta aparece citada numa revisão bibliográfica feita por pesquisadores do Laboratório de Farmacognosia do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de Santa Catarina. No mesmo relatório, eles afirmam que, no quesito segurança, o fitoterápico é bem tolerado, apesar de poderem ocorrer desconfortos gastrointestinais. Uma ressalva importante é que sementes, folhas, raiz e flores da planta jamais devem ser usadas, pois contêm esculina – uma substância tóxica que não está presente nos fitoterápicos industrializados.

No caso da centella, as saponinas mais ativas são os triterpenos, que agem nos fibroblastos, as células produtoras de colágeno. Por isso, cremes e pomadas contendo o extrato são bastante usados na dermatologia. “Estudos têm mostrado que o tratamento tópico com Centella asiatica melhora o processo de cicatrização por promover a proliferação celular e aumentar a síntese de colágeno”, explica o farmacêutico e bioquímico Frederico Pitella Silva, que estudou a planta em seu mestrado na Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Na tentativa de entender a ação dos triterpenos a nível molecular, cientistas do prestigiado Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, chegaram a identificar os genes dos fibroblastos afetados pela centella. E concluíram: os triterpenos induzem essas células a produzir mais colágeno. E mais colágeno significa pele e tecidos mais fortes, incluindo as paredes de vasos e artérias.

Outro estudo, este feito na Universidade D’Annunzio, na Itália, sugere que a centella atua em mais uma frente. Ela regulariza a permeabilidade capilar, isto é, a capacidade das paredes do endotélio dos vasos de deixar passar para dentro água e moléculas solúveis em água. Assim, a centella evita o acúmulo de líquidos, ação que faz da planta uma aliada contra os inchaços nas pernas e a celulite.

Que essas duas plantas são mesmo poderosas, ninguém duvida. Mas aqui vai uma observação importante: as duas espécies são contraindicadas para mulheres grávidas, que sofrem com inchaços nas pernas e pés. Para elas, o que os médicos mais recomendam são as meias elásticas, que comprimem a pele e ajudam o sangue no seu trajeto perna acima.

SERÃO VARIZES?

Não se desespere se notar na pele um grupo de vasinhos formando uma espécie de teia de aranha. Eles não são varizes em estado inicial. Apesar de serem estruturas vasculares que conduzem sangue venoso, como as varizes, os vasinhos têm calibre diferente – são fininhos – e estão dentro da espessura da pele. As varizes são mais grossas e estão na camada de gordura abaixo da pele. Mesmo que não sejam tratados, eles podem no máximo se espalhar, mas não vão se transformar em varizes.

PODEROSA CENTELLA

Em 2005, pesquisadores da Oregon Health & Science University, dos Estados Unidos, comprovaram em camudongos que o extrato de Centella asiatica é capaz de reverter danos causados nos nervos pelo diabetes. Agora, outro time da mesma universidade investiga se o efeito se repete em humanos. Desde o ano passado, eles acompanham um grupo de 60 pacientes com neuropatia diabética, um conjunto de sintomas que inclui dor, dormência e fraqueza nos nervos. O grupo está sendo tratado com uma droga contendo os triterpenos da centella.

A neuropatia diabética ocorre porque o alto nível de glicose no sangue prejudica a circulação, deixando as células nervosas sem nutrientes importantes. O problema afeta principalmente braços e pernas – extremidades do corpo onde o sangue tem mais dificuldade para chegar. É considerada uma das mais debilitantes complicações da doença e a mais difícil de ser tratada. “Hoje é possível tratar esses sintomas, mas não promover a recuperação dos nervos debilitados”, afirma Jau-Shin Lou, neurologista e coordenador do estudo. “A única forma de controlar a neuropatia diabética é manter a taxa de açúcar sob controle. Caso essa droga [com o extrato de centella] seja eficaz, teremos uma outra alternativa.”

A equipe também vai investigar se os triterpenos agem penetrando no sistema nervoso. Em caso afirmativo, no futuro, a centella poderá ser usada no tratamento de várias outras doenças causadas pela degeneração neural, como o Mal de Alzheimer.

 

Centella asiatica (L.) Urban. (centella-asiática, cairuçu-asiático, cairuçu asiático, centelha-asiática, codagem, pata-de-burro, pata-de-cavalo e pata-de-mula)

Nome científico da Centella asiatica: Centella asiatica (L.) Urban.

Família da Centella asiatica: Apiaceae.

Variações da Centella asiatica: Centella asiatica var. asiatica, Centella asiatica var. floridana (J.M. Coult. & Rose) J.M. Coult. & Rose, 1900

Sinônimo botânico da Centella asiatica: Centella asiatica var. floridana (J.M. Coult. & Rose) J.M. Coult. & Rose, Centella biflora (P. Vell.) Nannf., Centella coriacea Nannf., Centella dusenii Nannf., Centella erecta (L. f.) Fernald, Centella floridana (J.M. Coult. & Rose) Nannf., Centella hirtella Nannf., Centella repanda (Pers.) Small, Centella repanda var. floridana Small, Centella triflora (Ruiz & Pav.) Nannf., Glyceria repanda (Gaudin) Nutt., Hydrocotyle asiatica fo. luxurians Donn. Sm., Hydrocotyle asiatica L., Hydrocotyle biflora P. Vell., Hydrocotyle brasiliensis Scheidw. ex Otto & F. Dietr., Hydrocotyle brevipedata St. Lag., Hydrocotyle erecta L. f., Hydrocotyle ficarifolia Stokes, Hydrocotyle ficarioides Lam., Hydrocotyle ficarioides Michx., Hydrocotyle inaequipes DC., Hydrocotyle nummularioides A. Rich., Hydrocotyle reniformis Walter, Hydrocotyle repanda Pers., Hydrocotyle sylvicola E. Jacob Cordemoy, Hydrocotyle triflora Ruiz & Pav.

Outros nomes populares da Centella asiatica: centella-asiática, cairuçu-asiático, cairuçu asiático, centelha-asiática, codagem, pata-de-burro, pata-de-cavalo e pata-de-mula; centella (inglês), yerba de claro (espanhol) e asiatischer wassernabel (alemão).

Constituintes químicos da Centella asiatica: ácidos: linoléico, palmítico, oléico, lignocérico, esteárico cêntico, centóico, betulínico e isobrâmico; alcalóide: hidrocotilina; substância amarga: velarina; glicosídeo: asiaticosídeo; vitamina: ácido ascórbico; triterpenos: asiaticosídeo, madecassosídeo, centelosídeo, brahmosídeo, thankunisídeo, isothankunisídeo; óleos essenciais: cânfora, cineol e n-dodecano; sapogeninas: ácidos asiático, madecássico, centélico, indocentóico, brâmico, thankúnico e isotankúnico; os açúcares: glicose, arabinose, frutose e ramnose; outros: r-cimol, a-pineno, metanol, óleo alil mostarda e grandes quantidades de trans-b-farneseno, germacreno D e b-cariofileno.

Propriedades medicinais da Centella asiatica: adelgaçadora, amarga, ampliadora da capacidade de memorização, antibacteriana, anticelulítica, antidepressiva, antidiarréica, antiinflamatória, antiirritante, antileucorréica, antimicrobiana, anti-reumática, anti-sifilítica, calmante, cicatrizante, depurativa, desintoxicante, diurética, estimulante da circulação periférica, estimulante do metabolismo das gorduras, estimulante do sistema linfático, galactógena, hipnótica, hipotérmica, lipolítica, queratolítica, redutora da fragilidade dos vasos, refrescante, regulador de tecido conjuntivo, tônica, vasodilatadora periférica, vulnerária.

Indicações da Centella asiatica: afecção cutâneas, amenorréia, aparelho circulatório, articulações reumáticas, cãimbras, celulite, circulação de retorno, constipação, desordens dermatológicas, eczema, furunculose, lúpus, úlcera varicosa, hematoma, rachaduras da pele, varizes, psoríase, prevenção da formação de quelóides, acelerar a cicatrização pós-cirúrgicas, estimular a produção de colágeno e fibras, inflamação periférico, feridas, úlcera de pele, lepra, melhorar o aspecto da pele (queimaduras), desordens nervosas, dismenorréia, disúria, doenças do aparelho urinário e genital femininos, doenças vasculares periféricas, doenças venéreas, epistaxe, escrófulas, formigamento, gordura localizada, hematêmese, hemorróidas, icterícia, malária, pernas pesadas e doloridas, sarampo, senilidade.

Parte utilizada da Centella asiatica: folhas.

Contra-indicações/cuidados: não deve ser usada por grávidas e por lactantes, pessoas com insuficiência renal ou hepática, pessoas com gastrite e úlcera.

Efeitos colaterais da Centella asiatica: pode produzir foto-sensibilidade, irritação gástrica, aumento do colesterol, efeito sedante. Em excesso pode causar náuseas.

Modo de usar da Centella asiatica:

– folhas em saladas e como tempero (especialmente no sudeste da Ásia);

– cremes para o tratamento de acne e de rugas, prevenindo o envelhecimento precoce;

– compressas frias: inflamação nos olhos;

– loções e cremes: celulite;

– óleos de massagem corporal: estimular a circulação e promover a drenagem linfática;

– decocção ou infusão de 20 a 30 g por litro de água. Tomar durante o dia;

– banho: amassar em um pilão dois punhados da planta picada e por em infusão em ½ litro de água fervente. Abafar por 10 minutos. Tomar um banho morno e em seguida friccionar energicamente a loção com um pano sobre a área afetada. Esperar 15 a 20 minutos e tomar um novo banho;

– pó: tomar 0,5 g a 1 g/dia, após as refeições;

– Cataplasma: contusões, fraturas, torceduras e furúnculos;

– extrato seco: 0,05 a 0,20 g por dia;

– extrato fluído: 0,25 a 1 ml por dia;

– gel, creme e loçção suavizante: extrato glicólico 2-5%;

– creme reparador e restaurador: extrato glicólico 3-6%;

– creme após sol: extrato glicólico 1-5%.

CLIPPING

Revista Herbarium

Dupla Dinâmica

Editoria: Fitomedicina

Texto: Raquel Marçal, de Curitiba

22 de fevereiro de 2012

Ricas em substâncias que combatem inchaços e fortalecem as paredes dos vasos sanguíneos, a castanha-da-índia e a centella asiática são grandes aliadas contra as varizes

Pra baixo todo santo ajuda. É fácil lembrar do espirituoso dito popular quando se pensa no trajeto do sangue em sua tarefa de irrigar os órgãos do corpo. A descida até os membros inferiores é moleza. Na hora de subir é que são elas. É justamente aí que entra em ação um sistema de válvulas localizado nas paredes internas das veias que ajuda o sangue a vencer a gravidade, empurrando-o para cima. Mas, às vezes, os tecidos dessas válvulas perdem a força e não conseguem mais fazer seu trabalho. Resultado: o sangue passa a fluir com dificuldade e vai se acumulando na veia até a circulação no local empacar de vez.

Esse defeito nas válvulas – e a consequente travada do fluxo sanguíneo – é o que os médicos chamam de insuficiência venosa. Um problema à flor da pele. Inchadas por causa do fluido parado, as veias afetadas formam varizes e marcam as pernas num ziguezague que lembra uma fita sianinha. “A principal causa das varizes é a predisposição genética”, explica a angiologista Priscila Nahas, diretora do Departamento de Febloestética da Sociedade Brasileira de Feblologia e Linfologia. Para quem não sabe, feblologia é o estudo das veias e das doenças venosas. “Quem tem a hereditariedade, vai desenvolver o problema mais cedo ou mais tarde, é inevitável”, afirma a médica. Mas nada de pânico. A boa notícia para quem tem histórico na família é que algumas atitudes, como praticar atividades físicas, controlar o peso e evitar o cigarro, podem adiar a ocorrência do problema.

As varizes não são um incômodo apenas estético. Doloridas, elas podem atrapalhar no dia a dia mesmo quando não há complicações – como tromboses superficiais, úlceras venosas e fleborragias, que são hemorragias originárias das veias. Por isso, estão entre as causas mais frequentes de afastamento do trabalho e são consideradas um problema de saúde pública. E não só no Brasil.

Nos casos mais graves, só a cirurgia dá jeito. Mas quando o último recurso ainda não é indicado, dá para amenizar os sintomas com medicação. “Os medicamentos têm ação direta sobre a parede da veia doente, fortalecendo-a e melhorando o fluxo sanguíneo”, explica Priscila. É exatamente isso o que fazem as duas plantas medicinais mais usadas no tratamento da insuficiência venosa: a castanha-da-índia (Aesculus hippocastanum) e a centella asiática (Centella asiatica). “A castanha-da-índia tem ação antiinflamatória e aumenta o tônus venoso”, diz o médico Aderson Moreira da Rocha, presidente da Associação Brasileira de Ayurveda. “Já a centella também possui efeito diurético. Na ayurveda é indicada para aliviar sintomas como inchaço, dor e cãibra nos membros inferiores“, completa.

A dupla de fitoterápicos já provou seu valor em diversos estudos mundo afora. Os cientistas inclusive sabem quais as substâncias responsáveis pela ação benéfica dessas plantas. Trata-se das saponinas. Na castanha-da-índia, a principal saponina é chamada de beta-aescina. “Ela favorece o transporte de íons para dentro dos capilares, o que aumenta a resistência das veias e artérias e impede a saída de líquidos dos vasos, evitando assim os inchaços”, explica a farmacêutica Elisabeth Lopez. “A castanha-da-índia possui ainda cumarinas e flavonoides, que também apresentam ação protetora vascular”, completa Elisabeth.

Há evidências de que os fitoterápicos à base de castanha-da-índia são tão eficazes quanto a terapia de compressão dos membros inferiores com meias elásticas e os rutosídeos – substâncias tradicionalmente usadas nos medicamentos contra as varizes. A descoberta aparece citada numa revisão bibliográfica feita por pesquisadores do Laboratório de Farmacognosia do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de Santa Catarina. No mesmo relatório, eles afirmam que, no quesito segurança, o fitoterápico é bem tolerado, apesar de poderem ocorrer desconfortos gastrointestinais. Uma ressalva importante é que sementes, folhas, raiz e flores da planta jamais devem ser usadas, pois contêm esculina – uma substância tóxica que não está presente nos fitoterápicos industrializados.

No caso da centella, as saponinas mais ativas são os triterpenos, que agem nos fibroblastos, as células produtoras de colágeno. Por isso, cremes e pomadas contendo o extrato são bastante usados na dermatologia. “Estudos têm mostrado que o tratamento tópico com Centella asiatica melhora o processo de cicatrização por promover a proliferação celular e aumentar a síntese de colágeno”, explica o farmacêutico e bioquímico Frederico Pitella Silva, que estudou a planta em seu mestrado na Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Na tentativa de entender a ação dos triterpenos a nível molecular, cientistas do prestigiado Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, chegaram a identificar os genes dos fibroblastos afetados pela centella. E concluíram: os triterpenos induzem essas células a produzir mais colágeno. E mais colágeno significa pele e tecidos mais fortes, incluindo as paredes de vasos e artérias.

Outro estudo, este feito na Universidade D’Annunzio, na Itália, sugere que a centella atua em mais uma frente. Ela regulariza a permeabilidade capilar, isto é, a capacidade das paredes do endotélio dos vasos de deixar passar para dentro água e moléculas solúveis em água. Assim, a centella evita o acúmulo de líquidos, ação que faz da planta uma aliada contra os inchaços nas pernas e a celulite.

Que essas duas plantas são mesmo poderosas, ninguém duvida. Mas aqui vai uma observação importante: as duas espécies são contraindicadas para mulheres grávidas, que sofrem com inchaços nas pernas e pés. Para elas, o que os médicos mais recomendam são as meias elásticas, que comprimem a pele e ajudam o sangue no seu trajeto perna acima.

SERÃO VARIZES?

Não se desespere se notar na pele um grupo de vasinhos formando uma espécie de teia de aranha. Eles não são varizes em estado inicial. Apesar de serem estruturas vasculares que conduzem sangue venoso, como as varizes, os vasinhos têm calibre diferente – são fininhos – e estão dentro da espessura da pele. As varizes são mais grossas e estão na camada de gordura abaixo da pele. Mesmo que não sejam tratados, eles podem no máximo se espalhar, mas não vão se transformar em varizes.

PODEROSA CENTELLA

Em 2005, pesquisadores da Oregon Health & Science University, dos Estados Unidos, comprovaram em camudongos que o extrato de Centella asiatica é capaz de reverter danos causados nos nervos pelo diabetes. Agora, outro time da mesma universidade investiga se o efeito se repete em humanos. Desde o ano passado, eles acompanham um grupo de 60 pacientes com neuropatia diabética, um conjunto de sintomas que inclui dor, dormência e fraqueza nos nervos. O grupo está sendo tratado com uma droga contendo os triterpenos da centella.

A neuropatia diabética ocorre porque o alto nível de glicose no sangue prejudica a circulação, deixando as células nervosas sem nutrientes importantes. O problema afeta principalmente braços e pernas – extremidades do corpo onde o sangue tem mais dificuldade para chegar. É considerada uma das mais debilitantes complicações da doença e a mais difícil de ser tratada. “Hoje é possível tratar esses sintomas, mas não promover a recuperação dos nervos debilitados”, afirma Jau-Shin Lou, neurologista e coordenador do estudo. “A única forma de controlar a neuropatia diabética é manter a taxa de açúcar sob controle. Caso essa droga [com o extrato de centella] seja eficaz, teremos uma outra alternativa.”

A equipe também vai investigar se os triterpenos agem penetrando no sistema nervoso. Em caso afirmativo, no futuro, a centella poderá ser usada no tratamento de várias outras doenças causadas pela degeneração neural, como o Mal de Alzheimer.

Ginkgo biloba L. (Nogueira-do-Japão)

Pesquisas alimentam a esperança de que a planta do Oriente previna (e ataque) tumores no ovário, na mama, no cérebro e no fígado. Com o seu extrato por perto, as células malignas se autodestroem

Origem: Extremo Oriente

Aspecto: As folhas se dispõem em leque e são semelhantes ao trevo. A altura da árvore pode chegar a 40 metros. O fruto lembra uma ameixa e contém uma noz que pode ser assada e comida

A ginkgo biloba foi a primeira planta a brotar após a destruição provocada pela bomba atômica na cidade de Hiroshima, no Japão.

A ginkgo já é famosa por suas façanhas. O extrato obtido de suas folhas comprovadamente reduz as tonturas, refresca a memória, alivia as dores nas pernas e nos braços e acaba com o zumbido no ouvido. Por tudo isso ela arrebanhou uma vasta clientela, composta na maior parte por idosos. Mas suspeita-se que o poder dessa planta de folhas de formato de leque vá além. Estudos realizados em laboratório e com seres humanos sugerem sua capacidade de prevenir e atacar tumores — mais um importante item que se acrescenta ao seu currículo.

Uma das pesquisas que obtiveram resultados mais estrondosos foi concluída no final do ano passado. Ao todo, 1 388 mulheres foram acompanhadas por seis meses. Todas relataram tomar algum tipo de remédio fitoterápico — equinácea, ervade- são-joão, ginseng e ginkgo. As que ingeriram esta última diariamente tiveram uma incidência 60% menor de tumores de ovário. Para entender o que estava ocorrendo, os surpresos cientistas levaram a ginkgo para dentro do laboratório. Lá misturaram o extrato da planta a culturas de células de ovário cancerosas. Bastou uma pequena dose para que o crescimento delas fosse reduzido em 80%.

ESTUDO PIONEIRO

Foi a primeira vez que se vislumbrou uma relação entre a ginkgo e o combate ao câncer de ovário. “Como o nosso estudo é pioneiro, as conclusões precisam ser confirmadas por novos trabalhos”, disse à SAÚDE! Daniel Cramer, diretor de Obstetrícia e Ginecologia Epidemiológica do Brigham and Women`s Hospital, ligado à Escola Médica Harvard, nos Estados Unidos. “Até que outras investigações sejam feitas, acredito que mulheres com mais de 50 anos e histórico familiar de câncer de ovário deveriam considerar tomar ginkgo”, diz ele.

Quando se fala em tumores em geral, o relatório de Cramer não é tão inovador assim. Mais de 50 estudos sobre ginkgo e câncer já foram catalogados. Em 2002 uma pesquisa conduzida pelo grego Vassilios Papadopoulos mostrou em laboratório e em testes clínicos que a ginkgo inibe o crescimento agressivo de tumores de mama. Também existem trabalhos sobre câncer cerebral e de fígado. “Essa já não é uma área de pesquisa em sua infância”, diz Nise Yamaguchi, pesquisadora da USP e vice- presidente do Núcleo de Apoio ao Paciente com Câncer, em São Paulo. “Já existem muitos estudos consistentes. E com conclusões parecidas.”

A maneira como a ginkgo e seus componentes agem em escala celular ainda não foi totalmente decifrada, mas há algumas hipóteses. “Talvez a planta esteja envolvida com a habilidade do organismo de causar apoptose, a morte programada de células defeituosas”, diz Cramer (veja infográfico na próxima página). Outras estratégias descritas em diferentes trabalhos são sua habilidade para inibir os vasos que alimentam o câncer e sua capacidade de evitar danos ao DNA. Esses efeitos são obtidos por meio da ação de duas substâncias, os terpenóides e os bioflavonóides. Os primeiros viraram objeto de estudo mais recentemente. Os bioflavonóides, contudo, são conhecidos de longa data. Agem como antioxidantes, combatendo os radicais livres e impedindo o envelhecimento. Ambos fazem parte do mesmo extrato, o EGb 761 — matéria-prima dos comprimidos vendidos em farmácias.

O comprimido de ginkgo biloba desencadeia diversas reações que vão desde os pés até os ouvidos. Os vasos sangüíneos se dilatam e o sangue fica menos viscoso (mais “fino”, como se diz). Assim, corre mais rápido, com mais facilidade, e alcança melhor os lugares mais distantes do coração. O labirinto, estrutura que pertence ao ouvido, passa a ser mais bem irrigado e oxigenado, o que ajuda a acabar com tonturas e zumbidos. As áreas do cérebro responsáveis pela memória e pelo raciocínio ficam mais despertas. O fluxo mais intenso também acaba com as dores nos braços e nas pernas, comuns na terceira idade. “A ginkgo produz muitos resultados e por isso divide com a ervade- são-joão o título de planta mais estudada na atualidade”, afirma João Batista Calixto, professor de farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e autoridade brasileira em medicamentos fitoterápicos.

Entre todas as benesses creditadas à planta, uma passou a ser questionada recentemente. É a que se refere à contribuição da ginkgo aos pacientes com Alzheimer. “Possivelmente o benefício seja alcançado apenas se a droga for utilizada de forma preventiva, anos antes do início da doença”, diz Orestes Forlenza, psiquiatra e pesquisador do Laboratório de Neurociências da Universidade de São Paulo. “Os estudos clínicos da ginkgo para o tratamento de demências não demonstraram vantagens consistentes, possivelmente porque já era tarde demais e o tamanho do efeito era muito pequeno para modificar o curso clínico”, explica o pesquisador, que fez uma revisão da literatura médica sobre o assunto.

São raros os casos de efeitos colaterais advindos da ingestão de ginkgo, mas não se pode ignorá-los. O remédio possui tarja vermelha e só pode ser vendido com receita médica (a dose máxima recomendada é de 240 mg/dia). Esse cuidado existe porque, ao dilatar os vasos sangüíneos, a ginkgo pode provocar enxaqueca e aumentar a sensibilidade da pele, causando alergias. Esse problema é maior nas cápsulas de pó macerado e nas folhas para chá, vendidas em lojas de produtos naturais. Além de ter a eficiência questionada (veja o quadro na próxima página), elas possuem grandes quantidades de um ácido capaz de irritar a pele. Ao afinar o sangue, a planta também pode causar sangramentos (antes de submeter um paciente a cirurgia, os médicos costumam pedir que cesse a ingestão do comprimido). Na bula do medicamento há ainda advertências com relação a distúrbios gastrointestinas e queda de pressão arterial. “A ginkgo é uma planta segura, mas deve ser usada com cautela”, resume o americano Daniel Cramer.

MORTE PROGRAMADA

Na presença da ginkgo, as células malignas se autodestroem

1 – PROCESSO NORMAL Quando alguma célula se danifica, sofre radiação ou infecção, o organismo envia uma ordem para que ela se autodestrua. Esse processo é chamado de apoptose.

2 – CÉLULAS TUMORAIS De vez em quando surgem células malignas que podem se multiplicar desordenadamente. O corpo manda a mesma ordem de implosão, mas elas não obedecem.

3 – COM GINKGO Na presença da ginkgo, as células tumorais ficam menos “teimosas”. Quando a mensagem chega, a célula pode ter a membrana rompida. Os restos são comidos por fagócitos, defensores do corpo.

O QUE JÁ SE COMPROVOU? Dos muitos benefícios atribuídos à ginkgo, alguns foram validados pela literatura científica e outros, desacreditados

ZUMBIDOS NO OUVIDO E TONTURA São os principais chamarizes da planta. Ao aumentar a circulação no labirinto, estrutura interna do ouvido, a ginkgo diminui zumbidos e melhora a sensação de equilíbrio.
DORES EM BRAÇOS E PERNAS Os benefícios do extrato para a circulação se refletem na melhor irrigação das áreas mais distantes do coração, o que alivia as dores nos membros.
ENVELHECIMENTO Seus bioflavonóides são antioxidantes que combatem os radicais livres e evitam danos às células, acumulados com a idade.
CÂNCER DE OVÁRIO Um estudo publicado em outubro de 2005 mostrou que a incidência desses tumores diminuiu entre 60% e 70% nas mulheres que ingeriram comprimidos com extrato de ginkgo.
CÂNCER DE MAMA Testes preliminares em laboratórios e estudos clínicos publicados em 2002 indicaram que o extrato das folhas pode inibir a proliferação agressiva de tumores de mama.
MEMÓRIA A Organização Mundial da Saúde considera que a ginkgo melhora a capacidade de memória e de aprendizado, mas estudos recentes começam a pôr em dúvida se o efeito persiste no longo prazo.
ALZHEIMER A ginkgo já foi aprovada em alguns países para ajudar na prevenção dessa doença. Contudo, novos testes não mostraram benefícios consistentes quando o mal já está instalado.
COMPROVADO EM TESTE CONTESTADO

ALENTO EM CHERNOBYL Em 1986 a usina nuclear de Chernobyl, na então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, sofreu uma forte explosão de vapor seguida de incêndio. Mais de 200 mil pessoas tiveram de ser transferidas para evitar os efeitos da radiação. Um estudo publicado em 1995 ministrou extrato de ginkgo para 30 trabalhadores que estavam na área do acidente. Por dois meses eles tomaram três comprimidos de 40 mg. Ao final, a ginkgo reduziu os efeitos colaterais provocados pelas radiações excessivas e diminuiu o número de porções alteradas no DNA desses homens.

PRODUÇÃO GLOBAL O extrato usado nos comprimidos viaja pelo mundo antes de chegar às prateleiras das farmácias. Em geral, as árvores são cultivadas na região de Bordeaux, na França, e na Carolina do Sul, nos Estados Unidos — tidas como as mais adequadas para o cultivo da planta. Depois de colhidas, as folhas são enviadas à Irlanda para serem extraídas. Em seguida a matéria-prima é exportada para vários países (o Brasil é um deles) onde os comprimidos são feitos e embalados.

DÁ PARA CONFIAR? Nas farmácias brasileiras, os comprimidos de extrato de ginkgo vendidos só com receita médica competem com cápsulas de pó moído e folhas, em embalagens expostas nas prateleiras ao alcance do consumidor. Muita gente relata efeitos benéficos advindos dessas fórmulas alternativas. Mas seriam elas tão eficazes quanto os comprimidos? A resposta é não. Pesquisadores da UFSC fizeram testes para saber quanto tem de componentes do extrato EGb 761 nessas cápsulas e nas folhas da planta. Conclusão: para obter a mesma quantidade de um único comprimido de 120 mg seriam necessárias 20 cápsulas de 200 mg de pó moído. Quanto ao chá, a eficácia depende da qualidade da matéria-prima. “Mas seria preciso ingerir grande quantidade, já que os teores das substâncias ativas no chá caseiro são baixos”, afirma Cláudia Simões, autora do trabalho e pesquisadora da UFSC. “A proporção ideal só é obtida com os extratos secos padronizados.”

Ginkgo biloba, de origem chinesa, é uma árvore considerada um fóssil vivo. É símbolo de paz e longevidade, por ter sobrevivido às explosões atômicas no Japão.

Foi descrita pela primeira vez pelo médico alemão Engelbert Kaempfer, por volta de 1690, mas só despertou o interesse de pesquisadores após a Segunda Guerra Mundial, quando perceberam que a planta tinha sobrevivido à radiação em Hiroshima, brotando no solo da cidade devastada. Suas folhas têm sido frequentemente usadas no combate aos radicais livres e como auxiliar da oxigenação cerebral.   São árvores caducas, que perdem todas as folhas no inverno e atingem uma altura de 20–35 m (alguns espécimes, na China, chegam a atingir os 50 m). Foram durante muito tempo consideradas extintas no meio natural, mas posteriormente verificou-se que duas pequenas zonas na província de Zheijian (China) albergavam exemplares da espécie. Hoje a planta existe em praticamente todos os continentes e no Brasil há exemplares produzidos de sementes.   Goethe, famoso cientista, filósofo, poeta e botânico alemão, escreveu um poema sobre ele em 1815, falando da unidade-dualidade, simbolizada na folha do ginkgo.   Nomes populares: nogueira-do-Japão, árvore-avenca, ou simplesmente ginkgo.

Significado

A palavra ginkgo tem origem chinesa (ginkyo: 銀杏), que significa damasco prateado. A palavra biloba vem do formato bilobado das folhas.

Uso farmacológico

Interações: Não deve ser utilizado em associação com varfarina e antiagregantes plaquetários

Citrullus lanatus (Melancia)

Citrullus lanatus (Melancia)

A melancia pode ter um efeito semelhante ao Viagra, segundo um cientista da universidade de Texas A&M.Bhimu Patil, diretor do Fruit and Vegetable Improvement Center (Centro de Aprimoramento de Frutas e Vegetais) da universidade, afirma que a melancia tem ingredientes que produzem efeitos nos vasos sangüíneos semelhantes aos do Viagra e podem também aumentar a libido.

Os ingredientes benéficos à saúde encontrados em frutas e legumes em geral são conhecidos como fitonutrientes. Na melancia, são encontrados fitonutrientes como o licopeno e o betacaroteno.

Mas o fitonutriente presente na melancia que tem atraído a atenção dos cientistas é a citrulina, que tem a habilidade de relaxar os vasos sangüíneos, da mesma forma que o Viagra o faz.

Quando a melancia é consumida, a citrulina é convertida em arginina por enzimas. A arginina estimula a produção de ácido nítrico, que relaxa os vasos, o mesmo efeito básico que o Viagra tem para tratar a impotência e até mesmo preveni-la.

Os cientistas reconhecem que a impotência pode ser causada também por problemas psicológicos, mas afirmam que uma quantidade extra de ácido nítrico pode ajudar aqueles que precisam de um maior fluxo sangüíneo, o que também é útil no tratamento de problemas cardiovasculares.

A melancia pode não ser tão direcionada ao órgão em questão como o Viagra, mas é uma ótima maneira de relaxar os vasos sangüíneas sem nenhum efeito colateral.

A citrulina, precursora da arginina, é encontrada em maior concentração na casca da melancia do que na polpa. Como a casca não é normalmente ingerida, dois outros cientistas do Fruit and Vegetable Improvement Center tentam desenvolver novas variedades de melancia com maior concentração de citrulina na polpa.

Embora só agora os cientistas norte-americanos tenham constatado os efeitos benéficos da melancia no aumento da potencia masculina, no Brasil os atributos da melancia, neste aspecto, ja têm sido destacados por especialistas em medicina alternativa há alguns anos.

O livro “ Frutas, caminho para a saúde”, de Lelington Lôbo Franco detalha, entre outras coisas, as propriedades da melancia. O autor mostra que, além do valor nutritivo, as frutas possuem também propriedades medicinais; vitaminas, minerais, fitonutrientes e elementos fitoquímicos que combatem de forma eficaz, muitos tipos de doenças. Baseado em estudos sobre a composição química das frutas, ele reuniu elementos necessários para que as frutas sejam consideradas como um composto indispensável para a saúde.

Propriedades nutricionais da melancia: Além de doce e muito refrescante, a melancia é muito nutritiva. Possui hidratos de carbono (açúcar), betacaroteno (provitamina A) e vitaminas do complexo B e C. Também apresenta cálcio, fósforo, ferro e muita água. Hoje, já se conhece o licopeno e glutationa, compostos que a melancia possui em abundância, que são responsáveis por proteger o organismo contra o câncer e a oxidação celular.

Valor Calórico: 100 gramas de melancia fornecem 31 calorias.

Propriedades Medicinais: É recomendada para quem tem pressão alta,reumatismo ou gota. O suco/sumo de melancia provoca eliminação de ácido úrico, além de limpar o estômago e o intestino. Também é eficaz no tratamento da acidez estomacal, obesidade, bronquites crônicas, problemas de boca e garganta, cistites. Além disso, protege contra o câncer e a oxidação celular.

O chá das sementes de melancia é vasodilatador, prestando contribuição destacada no combate à impotência sexual e hipertensão arterial.

De acordo com o autor, o chá é feito da seguinte maneira: 2 colheres de sopa para 1/2 litro de água.

Alergia

Devido ao fato de conter o aminoácido citrulina, deve ser evitado por pessoas que padeçam de artrite reumatoide ou de uma doença genética chamada citrulinemia.Também pode ocorrer uma série de problemas gástricos e diuréticos, causando a hipertensão aguda, chamada fase de feijão.